Exigência do inglês no trabalho aumentou 7% nos últimos três anos

Língua se mantém como a mais exigida nas seleções de emprego e torna-se conhecimento obrigatório para profissionais

 Nos últimos três anos, a necessidade do uso do inglês regularmente no trabalho aumentou cerca de 7% em todos os mercados do mundo, segundo levantamento da GlobalEnglish Corporation. A pesquisa com 26 mil funcionários de empresas multinacionais revelou que 93% dos profissionais disseram que o inglês comercial é necessário ou importante para obter uma promoção. O estudo realizado pela Catho Online, empresa de classificados online de currículos e empregos, também aponta que a língua inglesa é a mais requisitada no mercado, sendo que 80% das entrevistas em outro idioma são realizadas em inglês.



O estudo confirmou, portanto, o que já vem sendo visto no mercado de trabalho: a língua inglesa é fundamental para os profissionais se destacarem dos concorrentes na busca de um novo emprego ou para uma vaga de promoção. Especialistas da área defendem que o aprendizado do inglês abre portas para o desenvolvimento pessoal, profissional e cultural.



De acordo com Marcio Mascarenhas, fundador e presidente da rede nacional de franquias Number One, a crescente internacionalização dos mercados fez com que o inglês passasse a ser adotado como o idioma oficial do mundo dos negócios. "A língua inglesa já não é mais exigida apenas por empresas multinacionais e as pessoas já se atentaram e estão correndo atrás desse prejuízo. Existe o que chamo de geração perdida do inglês, que são os profissionais que não estudaram o idioma e que agora estão sendo cobrados por isso. É essa mesma geração, inclusive, que tem colocado os filhos cada vez mais cedo nos cursos de inglês, pois já sabem da importância desse conhecimento para o futuro profissional?, avalia Mascarenhas.



Para atender esse público, o Number One oferece diferentes opções de cursos de inglês, de acordo com os objetivos dos alunos. Mascarenhas informa que as escolas têm turmas para atender desde crianças a partir de dois anos até idosos, em modalidades que podem variar entre aulas individuais, em pequenos grupos ou "in company?.  "Tem crescido cada vez mais a demanda pelos cursos básicos e intermediários e, de forma geral, o público jovem, composto por estudantes e profissionais de até 35 anos, é o que mais tem buscado aprender inglês. Tivemos um crescimento do número de alunos de 15% nos últimos três anos e essa procura só tende a aumentar, acompanhando a exigência do mercado?.