Associativismo empresarial aumenta lucro do negócio

As parcerias empresariais são uma tendência de mercado. Para reduzir custos, ampliar a gama de serviços oferecidos ou reduzir deficiências empresários se associam a outras corporações, ampliando o foco de atuação do negócio. Há mais de 10 anos, o Colégio ICJ mantém parceria com o Number One e, mais recentemente, com o Minas Tênis Clube. 

"A primeira parceria surgiu da necessidade de oferecermos novos serviços. Por meio de um levantamento, percebemos que o inglês curricular que oferecíamos era bem distante do inglês dos cursinhos. Por isso, fizemos uma pesquisa de mercado para encontrar um método de qualidade. No início, oferecemos o inglês como atividade extracurricular para os alunos. Depois resolvemos ampliar o leque de serviços. Hoje, o Number One é responsável pela gestão do ensino de inglês dentro da grade curricular do colégio e oferece turmas extracurriculares. O sucesso da parceria abriu margem para novas negociações. Tanto é que, em 2008, firmamos nova parceria com o Minas Tênis Clube, associação feita para estender a prestação de serviços às práticas físicas e esportivas, complementando com qualidade a formação do aluno?, revela Ademar Fabel, diretor geral e administrativo da escola. 

A rede de franquias Number One demonstra realmente acreditar nos resultados das parcerias empresariais. Com o intuito de disponibilizar para os alunos uma biblioteca digital com exemplares em inglês, que só pudesse ser acessada por seu sistema exclusivo "My Place?, a rede firmou um acordo com a Oxford. A editora internacional desenvolveu a plataforma digital e enviou os títulos cujos autores autorizaram a digitalização para que o Number One escolhesse os de seu interesse. "Com essa parceria, fomos pioneiros em lançar o ?e-reader?, uma ferramenta exclusiva para leitura digital, atraente para o público jovem, que aumenta em até 80% a exposição do aluno ao idioma inglês. Em contrapartida, a Oxford obteve significativo avanço tecnológico e expansão do negócio, com aumento imediato das vendas?, pontua Marcio Mascarenhas, fundador e presidente da rede Number One.



 No entanto, vale ressaltar que a escolha da empresa parceira requer cuidados jurídicos e atenção para que não haja problemas futuros caso a relação não dê certo. O advogado Leonardo Guimarães, doutor em direito empresarial e sócio do escritório Guimarães & Vieira de Mello Advogados, avalia que as parcerias são importantes para a consolidação das empresas no mercado. "Para que as instituições possam acompanhar a velocidade que a economia demanda o associativismo é necessário, pois cria melhores condições de atendimento e permite alcançar fatias maiores de mercado. Mas é necessário formalizar a parceria através de contrato, estabelecendo as diretrizes básicas, o formato adotado, os direitos e os deveres de cada parceiro e quais são as regras que vão vigorar caso a parceria não dê certo. O mais importante é deixar as regras claras para os dois casos: sucesso ou fracasso da parceria?.

 Segundo ele, o erro mais comum antes de se firmar uma parceria é buscar um parceiro sem analisar se o negócio trará benefício para ambas as partes. "Outro erro, talvez ainda mais grave, é fazer a associação informalmente, sem estabelecer regras. É imprescindível o auxílio de uma assessoria jurídica especializada em direito empresarial. A desvantagem do associativismo é que quando não existe harmonia entre os parceiros, um pode acabar prejudicando o negócio do outro?, informa.