Crescimento de microfranquias

*** Marcio Mascarenhas, presidente da rede Number One



O mercado de franquias continua em franca expansão e espera faturar R$120 bilhões em 2013, batendo recorde na história do setor, de acordo com dados da Associação Brasileira de Franchising (ABF). Em quantidade de lojas, o crescimento deve ser de 10%, alcançando 115 mil franquias. Dentro deste segmento, as microfranquias se destacam como uma tendência mundial que começam a despontar também no Brasil. A ABF aponta que já são 336 redes que se enquadram nessa modalidade e oferecem microfranquias de até R$50 mil, que equivalem a 16% dos negócios do setor. O faturamento do segmento em 2011 foi de R$ 3,9 bilhões e especialistas apostaram num crescimento de 20% no ano passado. De acordo com o Sebrae, o maior número de microfranquias está no setor de serviços como enfermagem domiciliar, professores particulares, serviços de beleza, entre outros.



A grande diferença entre as franquias e as microfranquias está relacionada ao valor do investimento necessário para aquisição da marca e início das operações. Para ser microfranqueado, em geral, não é necessário possuir sede ? pode-se trabalhar em casa ou no próprio cliente ? nem contratar funcionários, mas os proponentes são avaliados, capacitados e acompanhados pelo franqueador para garantir a qualidade do serviço ou do produto. Esse tipo de negócio, mais comum no segmento de serviços, é formatado principalmente para atender profissionais liberais, sem disponibilidade de altos recursos financeiros para investimento, mas com experiência na área escolhida e com ambição de iniciar a vida empreendedora. A proposta é que esses profissionais trabalhem com uma marca reconhecida no mercado e com método próprio de eficiência comprovada. 

Para a franqueadora, uma das grandes vantagens desse formato é acelerar a capilarização da marca, expandindo a rede para cidades e para municípios com pouco desenvolvimento na área de atuação. É a oportunidade de levar serviços e produtos para localidades sem condições econômicas ou estruturais para sediar uma franquia nos moldes tradicionais, porém, com público consumidor ávido por qualidade e excelência.



Os próximos anos prometem ser de grandes investimentos neste segmento. Como sede de importantes eventos esportivos ? Copa das Confederações, Copa do Mundo e Olimpíadas ? o Brasil precisa ainda se desenvolver em diversos setores, como o imobiliário e o de educação, em especial no segmento de idiomas. Nesses casos, por exemplo, um professor particular pode se tornar microfranqueado de uma marca e passar a oferecer a metodologia, o material didático e os certificados dessa instituição aos seus alunos, com retorno do investimento já a partir do 6º mês e lucratividade de 75% ou mais.



O mercado está aquecido e é preciso aproveitar as oportunidades. Estima-se que as microfranquias cresçam a um ritmo de 20% ao ano, conquistando cada vez mais interessados. É preciso olhar para essa possibilidade e enxergar ganho de mercado para todos, como mais uma etapa do virtuoso ciclo comercial. Como dizem por aqui, é ter a faca e o queijo nas mãos.